Ivo S. G. Reis - Artigos, Poesias, Contos e Crônicas
Textos


Templo de Salomão, um monumento à velhacaria evangélica - governo diz amém e prestigia
 
Prestigiado pela alta cúpula do governo brasileiro, foi inaugurado no Brás (SP), no dia 31/07/2014, o megatemplo da Igreja Universal do Reino de Deus, batizado com o sugestivo nome de “Templo de Salomão”, aos custo informado de 680 milhões de reais. Ao evento estiveram presentes a presidente Dilma Roussef,  o vice-presidente Michel Temer (PMDB/SP), o chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante (PT/SP), o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB/SP), o Secretário Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, o prefeito Fernando Haddad (PT/SP), ministros do STF e do STM, 15 governadores estaduais, além de vários prefeitos e outras autoridades e personalidades políticas. Como se vê, prestígio e reverência não faltaram. Mas para quê? E por que o governo brasileiro deu seu aval a essa farsa?
 
Rei Salomão, "Templo de Salomão", Riquezas e Minas do Rei Salomão... História ou Estória?
 
Para os que acham os termos " farsa" ou "velhacaria evangélica" um tanto pesado, basta pesquisar o significado do evento, a sua motivação e os fatos em que foi baseada a decisão de construir o templo, totalmente judaizado, parecendo um monumento a um cristianismo judaico ou um judaísmo cristão, tanto faz. Se isso ainda não existia, passará a existir, a partir de agora.

O AT relata, com riqueza de detalhes, os reinados dos 2º e 3º reis de Israel, Davi e Salomão, no século X a.C. Entretanto, até hoje, não se produziram provas inequívocas e irrefutáveis que confirmem a grandiosidade daqueles reinados e até mesmo a existência de seus monarcas, a despeito das intensas pesquisas e escavações arqueológicas feitas até o momento.
Muito mais duvidosa do que a existência do rei Davi é a de seu filho, Salomão. Consequentemente, tudo que a ele se refere: o grandioso templo que supostamente mandou construir a pedido de seu pai, sua sabedoria, seus poderes mágicos, suas minas, a arca da aliança, suas riquezas.

Não se pode radicalizar e nem é sensato dizer que a Bíblia seja apenas uma coleção de lendas e mitos, embora seja esta a predominância em toda as suas narrativas. É claro que alguns fatos históricos em relação a personagens e localidades podem ser comprovados, já que sabemos que, na Bíblia, estão misturados lendas, mitos, mentiras e realidade. O grande problema dos pesquisadores é separar e pinçar, nessas narrativas de apenas cerca de 20% de confiabilidade, o que é falso ou verdadeiro, o que é história ou estória. E Salomão, sua sabedoria e poderes mágicos, seu templo, suas minas, seu reinado, suas riquezas, ainda não estão catalogados como verdades. Ninguém jamais achou ou comprovou a existência da tal "arca da aliança", nem vestígios dos tesouros de Salomão ou dele próprio, um super-herói bíblico, do qual só existem estórias e teorias (nenhuma delas científica, capaz de transformá-las em história).

Para os profissionais da fé, não importa saber se o rei Salomão verdadeiramente existiu, o mesmo se podendo dizer em relação a Jesus. O que importa é o simbolismo e poder das suas realizações e mensagens que supostamente deixaram - excelentes produtos de marketing. E no marketing religioso, principalmente o evangélico, o que vale é o impacto visual e a força das mensagens, já que os fiéis não se importam muito em conhecer as verdades, bastando-lhes o que seus líderes religiosos afirmam e dão como verdadeiro. Se eles dizem que é verdade e eles "conhecem a Bíblia e a história", por que duvidar? 

Decoração judaica, o "bispo" (nomeado por quem?) Edir Macedo paramentado com quipá, xale de orações, barbicha de profeta e começando a ser chamado de “sumo sacerdote”, símbolos da liturgia judaica, como a Menorá e a Estrela de Davi, obreiros e pastores fantasiados de levitas, em trajes brancos, guardando as portas do templo, ausência do símbolo tradicional da IURD (para atrair fiéis de outras denominações cristãs?)... um verdadeiro Carnaval. Nem uma escola de samba faria melhor. Ali ficarão "os cofres da casa do Senhor" (que Senhor?). E a coisa já começou: até uma esteira rolante foi instalada para transportar os dízimos.

Se, conforme diz o NT, Jesus expulsou os vendilhões do templo, porque faziam comércio do lado de fora da "Casa do Senhor", agora eles estão lá dentro, muito mais vorazes, dissimulados e sofisticados, inclusive com o apoio do próprio Jesus, já que lá, tudo é feito em nome dele e de Deus: pseudos milagres, vendas de orações, amuletos e objetos "glorificados", arrecadação de dízimos e doações, correntes de prosperidade, fogueiras santas, curas, produtos do mercado da fé (livros, CDs, viagens, excursões, etc). Ai Jesus, ai Jesus! Se o que dizem sobre ti fosse verdade, agora era a hora de prová-la para os incrédulos, fazendo a sua prometida volta triunfal e expulsando os novos vendilhões do templo. Acaso não estarias vendo isto? Senão tu, o teu pai, onisciente, onipresente e amante da justiça e da verdade, veria e te mandaria de volta. Vai deixar a festa prosseguir, usando o teu nome e o do teu pai em vão?
 
Segundo o jornal O Globo, no primeiro dia de funcionamento para o público, "No final do culto, o bispo pediu para que os fiéis pegassem um envelope dourado que estava posicionado em frente as poltronas - importadas da Espanha - escrito "Sexta-Feira: Vitória Total 7 profetas". Ele pediu para que no dia 5 de setembro, quem voltasse trouxesse uma contribuição financeira, o dízimo, e encerrou a pregação afirmando:
        - Quem guarda o melhor para si não honra a Deus.
" (grifos nossos)

Por que no dia 5 de setembro? Fácil de entender: é o dia em que, teoricamente, todos os fiéis recebem ou já receberam seus pagamentos de assalariados.
 
O que leva autoridades de governo e políticos a prestigiarem esses eventos?
 
É sempre assim: Silas Malafaia inaugura templo da AVEC, no Rio de Janeiro… os políticos vão; Valdemiro Santiago inaugura o seu em São Paulo… os políticos vão; Padre Marcelo Rossi inaugura templo “Santuário Mãe de Deus”, em Interlagos (SP)… os políticos vão; "Marchas para Jesus...", os políticos vão. São todos megatemplos ou megaeventos religiosos, que atraem milhares de fiéis. É claro que os políticos não podem deixar de “dar seu apoio” e ficar fora dos holofotes. Não, eles têm de aparecer e dizer que “estão juntos com o povo de Deus”. Afinal, no nosso país "laico", 86% da população são de cristãos, de todas as correntes. Não prestigiar ou afrontar esse povo é suicídio eleitoral, o que é a última coisa que um político poderia aceitar, se aceitasse. E nem se questiona o valor dessas suntuosas obras e eventos e sequer se procura saber a origem dos recursos, que se alega provir da doação dos fiéis (haja doação!). Pelo contrário, governos e prefeituras ainda injetam algum dinheirinho do contribuinte, para colaborar e “prestigiar”.

Será que essas igrejas precisam mesmo desse caixinha extra? A IURD, por exemplo, é a maior das neopentecostais brasileiras, com mais de 6.500 templos e mais de 8 milhões de seguidores (só no Brasil), filiais em todos os continentes e presença em 103 os países, em diversas cidades. Ela própria declara que o templo foi construído sem recorrer a financiamentos bancários, somente com a ajuda e contribuições dos fiéis (???). É dona da TV Record, que adquiriu em uma compra cercada de conspirações, tráfego de influências, mentiras e até dinheiro do tráfico de drogas e o envolvimento político do ex-presidente Collor; é dona de 23 emissoras de TV, 42 de rádio e mais doze empresas em ramos diversos (dados não atualizados para 2014); é investigada pelo Ministério Público, por suspeita de envolvimento com o crime organizado, desvio e lavagem de dinheiro, é acusada de ter iniciado a construção do templo de forma irregular, com uma licença provisória para reforma, sem dar contrapartida à Prefeitura de São Paulo… Uma organização desse porte, com esse poderio, com esse histórico de vida nada recomendável, ainda é cortejada pelos governos e não só é cortejada, como recebe apoio e favores?!… E o PRB, o partido da Igreja Universal, fazendo parte da base aliada do governo? Não, alguma coisa está muito errada neste país.
 
Dados da obra Templo de Salomão:
 
- Será (enquanto outro maior não surgir) o maior templo evangélico do país;
- segue o padrão arquitetônico de outros templos da IURD, diferindo apenas em tamanho e algumas comodidades e inovações. O padrão é a réplica do primeiro templo construído em Jerusalém, no século X a.C., destruído pelei rei babilônico Nabucodonosor, em 586 a.C. Posteriomente, foi; reconstruído (535 a.C. - 516 a.C) e novamente destruído pelo general romano Tito, no ano 70 d.C., quando o exército romano esmagou uma rebelião dos judeus;
- construído em um terreno de 35 mil metros quadrados - o equivalente a 5 campos de futebol;
- possui 100.000m2 de área (o Maracanã possui 120.000), o dobro da altura do Cristo Redentor e é 4 vezes maior do que o Santuário de Aparecida do Norte;
- possui telões de 20m2, maiores do que os dos estádios da Copa do Mundo 2014, com capacidade para 10.000 pessoas, sentadas;
- o estacionamento possui 2000 vagas para carros, 241 para motos e 200 para ônibus; 
- possui sistema de som potente e sofisticado, acabamentos em mármore italiano e decoração com mais de 10.000 lâmpadas de led;
- possui 60 apartamentos decorados, para pastores convidados, um para Edir Macedo e 335 banheiros para os fiéis;
- No altar, há uma esteira rolante destinada a carregar o dízimo pago pelos fiéis diretamente para uma sala-cofre, de acordo com a Veja SP (informação não confirmada pela assessoria da igreja, segundo “O Globo”).
possui segurança própria interna e externa, prestada pelos “guardiões do templo (???)”, autorizados a fazer revistas e impedir que pessoas entrem com filmadoras, máquinas fotográficas, celulares e tablets.
 
 
Detalhe: isso é fichinha perto dos templos evangélicos que existem em outros países. Com todo esse tamanho, luxo e sofisticação, esse templo não estaria nem entre os dez maiores do mundo. Para se ter uma ideia da força do evangelismo, basta dizer que o 10º colocado no ranking mundial (Catedral Evangélica do Chile), possui capacidade para 45.000 pessoas/culto e o primeiro, Yoido Full Gospel (Coreia do Su), capacidade para 230.000 pessoas, por culto. Vamos parar por aqui. 
 
Algumas das principais regras observadas na inauguração do Templo de Salomão - incidentes ocorridos
 
A Igreja Universal do Reino de Deus divulgou um manual de etiqueta para quem compareceu à inauguração do Templo de Salomão, ou "a casa de Deus", como Edir o chama". Essas regras, foram divulgadas, pouco antes da inauguração e rigorosamente observadas durante o evento.

No geral, pode-se dizer que, salvo um breve apagão de luz que durou dez minutos, deixou desorientado o cerimonial da presidente Dilma e obrigou-a e à sua comitiva a subir três lances de escadas, com luzes de lanternas de celulares, tudo ocorreu conforme o planejado, não se registrando nenhum tumulto ou outros imprevistos.

Bonés, camisetas sem mangas ou de times, roupas com mensagens comerciais ou políticas, sandálias tipo havaiana, bermudas, minissaias, capacetes e óculos escuros, nada disso foi permitido.

Sob a coordenação do "bispo" Renato Cardoso, genro de Edir, as regras de acesso foram rigorosamente observadas, inclusive a indumentária mínima exigida dos visitantes. "Se você fosse se encontrar com o próprio Deus, na casa dele, como se vestiria?”, disse ele . E arrematou: "Vista-se como se fosse se encontrar socialmente com uma pessoa muito importante.” O "bispo"(???) Cardoso orientou ainda os "guardiões do templo" (???) para que não permitissem filmagens ou fotos de qualquer espécie, nem mesmo o uso de celulares, smartphones, tablets, etc, que ficaram sujeitos a revistas com detectores de metal. Instagram, "selfie"? Nem pensar. Para os fiéis que não puderam entrar, foram disponibilizados fotógrafos, fazendo os cliques e informando que as fotos poderiam ser baixadas via internet.


Vídeo institucional, com detalhes sobre o templo e a inauguração (Fonte: IURD):
 
Se o vídeo não abrir diretamente, clique no link direto abaixo:
http://irreligiosos.ning.com/video/dilma-rousseff-prestigia-cerimonia-de-inauguracao-do-templo-de-sa

 
Uma pergunta, que todos já estão fazendo, fica no ar: "Qual a verdadeira razão dessa guinada judaizante da Igreja Universal? Que razões políticas e/ou econômicas se escondem por trás disso?  Houve investimento judeu na construção do Templo de Salomão?". Independentemente de serem os leitores religiosos ou não, opinem!
 
Outras fontes: 1 - Revista Exame/O Globo/UOL/YouTube
Ivo S G Reis
Enviado por Ivo S G Reis em 01/09/2014
Alterado em 03/09/2014
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Mencionar: Autor original: Ivo S. G. Reis; fonte: Recanto das Letras - Site do Autor - http://www.ivosgreis.prosaeverso.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários